Efésios 6:14




Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça.
Efésios 6:14

6 de abr de 2015

autor: Charles Zimermann, Livro: Almas em espelhos (2008) e Livro: O Poeta e a vida (2007),


Livro: Almas em espelhos (2008)

Dedicatória de um poeta


 As grandiosas noites em solidão

Dos navios solitários que navegam sempre sozinhos

E repletos de inspirações altivas

Toda poesia que vive nas entranhas da lua

Dos beijos em adeus

Da saudade do sol que um dia nasceu

Todos os passos do amanhã

Todas as horas sem ponteiros

Aos poetas de Deus

Autor: Charles Magalhães Dedeco



Quando a luz reinara?

Mais um ano termina
Em foguetes e armas explosivas
Comemorações em desastres
Esperança em milagres forjados
Não há o que louvar
Não há o que acreditar
Mais um ano acaba
E a guerra desaba em nossas vidas
A poesia não acredita mais no poeta hipócrita
Onde estão os heróis?
O amor desaparece em cada ano novo
E a mentira assola o nosso mundo
Mais um ano se vai
Esvai-se em prantos
















Poeta

Sou um poeta
Tenho a loucura de poeta
Meus pés sabem flutuar no céu
Conheço a fraqueza do espírito humano
Por isso tornei-me pássaro poeta
Devoro a mesquinhez e cuspo para fora o gelo
Causa-me repugnância essa carne fraca
Essa frieza hipócrita
Sou um poeta
Trago as boas novas e as, mas novas
Não sou escravo de nenhum rei
Minha escada alcançou o céu
Agora revelo nas montanhas da verdade
Poeta eu sou
Assim falou meu espírito mais profundo
Um poeta no deserto eu sou
Navegando ao encontro do mar
No deserto de uma rua vazia
Eu vou











As pontes da alma

Reconciliai com vosso espírito
As razões não entendem o coração
Vigiais a vida e seu tempo
A coruja vem para ficar
Em nossas noites videntes
Abraçai os sentidos puros
Avante!
Em frente!
Estas vendo esta ponte?
É ela que te faz um equilibrista




















Cristina

Pele macia
Gosto angelical
Cristina era uma menina muito especial
Gostava de navegar em meu corpo nu
Beijar minha boca até o amanhecer
Bunda grande
Pernas perfeitas
Rosto esculpido na perfeição
Cristina era assim
Dava-me amor
Sem fim



















Manoela, garota feliz

Ela estava sempre feliz
Não importava o dia
Nem a tempestade
Ela tinha Deus dentro do seu peito
Amava-me como ninguém me amou
Era religiosa e culta
Não gostava de sair de casa
Preferia assistir filmes de romance
Manoela era uma garota feliz
Gostava de me beijar sobre a lua pura.




















Novo amor, novo tempo

Não chores
O amor chegou ao fim
Vais encontrar um novo amor
Depois da tempestade
Não chores
O amor é assim
Às vezes acaba
E a paixão chega ao fim
Sempre é tempo de mudança
Encontrar um novo amor
Na esperança de ser feliz



















Poemetos ou sonetos

Donde vem lume encantado?
Esconderijo secreto ou espelho janela?
Dos meus olhos de imaginação
Flor de pedra
Solidão solar
O meu soneto não vingou
Ora, o brilhoso poemeto foi mais rápido
E impacientemente precoce germinou.






















Brio de poeta

Amar por amar
Eu também amei a neblina
O poema sincero e a menina
Amo só por amar tudo isso
E pelo despertar do meu vicio
Porque sou poeta abrigo
Profundo esclarecedor
Conheço o inicio da vida
E o fim, que é esperança
Por amar o desejo de iluminar
De renascer para o espírito.



















Poema na chuva

Dança o poema na chuva
O vento grita sobre a lua
Folhas secas voam na tempestade
Sobre a iluminada cidade

O poema caiu na violenta chuva
O poeta molhou a poesia secreta
Lagrimas rolaram de repente
No rosto do eu poeta.





















Sou poeta espiritual

Quem é ele?
Uma voz no silencio disse
Será que é louco?
Não sei
Será que é doente mental?
Não sei
Quem é ele?
Perguntaram mais uma vez quem era
Quem era aquele que estava na frente do espelho da alma
Então respondi
Ele é eu
O consciente, a lucidez e a nuvem
A inspiração
O nada
O vazio
A imaginação
A criação de um novo mundo
O paralelo
O subliminar
Onde os fantasmas vagam
Onde a luz não acaba
Onde os livros são infinitos
Onde a prece é um hino sagrado
Onde Deus canta sua melodia encantada
Onde a poesia espiritual é compartilhada
Cansei de ser mortal
Sou agora imortal
Vampiro da noite brilhante
Cantor, fabricante de poemas sem sentido
Não estou mentindo
Apenas me vestindo com uma armadura invisível
Vestindo-me com uma arte transcendental
Minha poesia agora é diferente
Vejo tudo pelo espelho da reflexão
Será que sou louco?
Não sei
Sei que sou poeta
O resto, o resto eu não sei
Sei somente que existo
E isso eu repito sempre
Estou vivo
Estou vivo
Mil vezes por dia
Grito, carpe diem
A cada dia que renasce
Só sei que ponho minhas mãos no fogo
Por minhas poesias
Sou o que sou
Um poeta que escreve
A verdade, a imaginação e o amor.











Isolamento e depressão do poeta ingênuo

Escuro no muro diabólico
Asas de concreto
Silencio do filosofo puro
Noite sombria no sorriso inocente

Inverno de metal no coração de anjo
Alma transcendental
Poeta isolado, virgem poeta de luz

Poesia fabricada na depressão
No pensamento da virtude
Poema que nasceu no instante de inspiração

O religioso que navega na pureza
O sábio que atravessou as montanhas da fé
Solidão criada para o poeta elevar-se
Na neblina do sol delirante.













Dia triste

É noite e a noite adormece na rua
A lua tão pura e intensa sorri
Sorri para o poeta de coração partido
Mas o dia é triste
A musa não apareceu
Onde esta a amada?
E a musica onde o vento a levou?
Essa tristeza de poeta que sou
Às vezes me agrada
E um poema romântico de amor.




















Esquecer

É difícil esquecer um amor
Quando esse amor deu tanta alegria
Tanta poesia para a vida
Mas este amor me causou sofrimento também
Muita lágrima eu derramei
Mas como esquecer alguém que me ama?
Como encontrar um novo amor?
Se o coração ainda sangra.






















Viajante ingênuo

Sou um viajante
Navego por entre as montanhas sagradas
O mundo é minha casa
Meu coração porem pede paraíso
Sou um viajante
Um poeta nobre
Que sofre
Que grita
Que sonha
Que ama desesperadamente
A mulher amada
Que passa por mim
E não diz nada
Apenas olha e sorri.
















Poema de cabeça para baixo

A noite afundada em lama
A estrela caída no teto
A rua apagada solitária chora
O vento na nevoa sombria
Implora felicidade
O filosofo embriagado
Flutua nas nuvens de aço
A cidade em chama pede paixão
A solidão do poeta navega sobre a iluminação
O poema de cabeça para baixo
É para o mundo solução.



















Solitário

A luz do quarto apagou-se com a depressão
A televisão calou a boca do silencio
A cama esta congelada de solidão
O poeta no quarto caminha com receio
A vida se tornou um deserto
Mas há reflexões e filosofias
Parede de ferro e concreto
Solitário que navega na poesia
Os poemas choram no vento
O relógio parou no tempo
A casa fechada congelou o coração
A alma afundou-se sem emoção.


















O nada e o obscuro

Avisto o poema em minha alma
A janela é de chumbo e luz
No nada mora o que seduz
No obscuro vive a calma

Avisto o poema em minha mente
No silencio que se faz presente
No nada o obscuro se faz tudo
Avisto o poema no luto

O nada e o obscuro
O nada e o obscuro
O poema nasce no escuro.

















Fabricando poesia

Poesia que flutua nas nuvens
Sabe cantar no escuro
Poesia que flutua no céu
Sabe olhar o futuro

Poesia que luta no silêncio
Navega sobre o vento
Poesia que rodopia sozinha
Dança com a tempestade da rima

Poesia que nasce na lua
Sabe amar
Poesia que canta
Sabe sonhar.
















Poema de pedra

Poema feito de metal
Caminha sobre o mar
No mar que virou cinza
O poeta feito de pedra
Caminha sobre a rua
Na rua que virou nuvem
O poeta fez um poema de pedra
Virou diamante sombrio
Poema de pedra
Feito de pedra
É o poema do poeta de pedra.





Sobre o sol da varanda

Escrevo poemas no sol à tarde
O sol me da alegria e vontade
O horizonte é repleto de pássaros
Musica acorda meu coração de solidão

Sobre o sol da varanda
A melodia e o silencio é constante
Cachorros latem e correm atrás de gatos
Bananeiras maduras decoram o pátio

Não sei onde estão os vizinhos
Ao lado de minha casa
Tem uma bela morena
Não sei onde ela esta

Escrevo pensando nela
Quando ela vai chegar
Escrevo pensando em suas pernas
Em seus seios
Em sua voz
Em sua boca de cristal.









Inspirações vazias

Estou com pouca inspiração
Raras e escassas inspirações
Inspirações nenhuma
Silencio completo
Nuvem e poeira
Completamente submerso
Afundado no nada
Inspirações caladas
Isolamento das palavras
Naufrágio no vazio da escuridão.




















O silencio

Na rua não há nada
Nas palavras há o silencio
A música melodiosa ecoa no vazio
O poeta penetra na sabedoria da poesia infinita
Silencio do coração
Nenhuma voz
Nenhum gemido
Nenhuma lamentação
Apenas o silencio
Em estado de iluminação.




















Mil reflexões

Busco algum dialogo
Alguma comunicação eu rogo
Um até logo
Ou quem sabe
Bom dia
Busco uma reflexão
Numa melodia
Mil reflexões
Mil ações generosas
Palavras de amizade e afeto
Busco o bom senso
 Busco a verdade
Busco a solidariedade
Busco acima de tudo
A paz e o calor do amor.
Navego errante sobre o mar
Em constante decadência
Meu poema se perdeu no ar
Meu navio afundou na ilha da solidão.











Cidade fria

A cidade no inverno chora vazia
A rua da cidade deserta pede alegria
Enfim, tudo é completo silencio

A cidade que no verão é fogo
E no inverno é tão triste a face do sol
Na cidade de inverno a vida é tão melancólica
A poesia fica congelada de tédio
Talvez um romance aquecesse essa cidade

Na cidade de inverno o amor suspira a noite
A cidade a noite é carente e elegante.


















Poema do caos

O poema no caos caminha perdido
Rumo às palavras solitárias
O poema se comoveu com o silencio
Que ao anoitecer chora esperança

O poema esta no velho dilema
Entre amar ou se perder no ar
O poema foi triturado no vazio
Na rua ele caminha rumo à inspiração

O poema canta na escuridão
Adormecido na vida
O poema nasceu no caos das palavras.

















Silencio iluminado

Faça completo silencio
Que a vida quer cantar
Faça completo silencio
Que o amor quer ressuscitar
Faça completo silencio
Que o sábio quer falar
Faça completo silencio
Que o poeta iluminado
Quer sonhar...





















Poeta da neblina

Caminha o poeta sobre a rua da neblina vazia
O poeta está embriagado
De solidão e poesia

Caminha o poeta sobre a ponte da sabedoria
O poeta está embriagado
De silencio e pureza

Caminha o poeta sobre o mar das palavras
O poeta está embriagado
De nuvem e poemas

Caminha o poeta sobre o dicionário
Sublime de ouro
O poeta caminha sobre a neblina do sonho.















Barqueiro no céu

Criador supremo, poema eterno
Eis que lhe peço o crepúsculo inicial
Findar a escuridão
Reviver o paraíso perdido
Musical silêncio
Plenitude
Raios, barcos e perfumes
Encanto, santa juventude
Eis suas esperadas trombetas
Solenes canções radiosas
Eis a chegada da luz
A partida da águia poeta
Vento que sopra
Para o desconhecido
Jardim nebuloso e verdadeiro.















Religião livre

Mais de mil anos de guerra
E o homem não encontrou o caminho das flores
Foram espadas, combates e canhões
Armas nucleares e enganações
Quando vão aprender que a escada
Para se chegar até o céu é o amor?
Deus quer a liberdade da fé.
Mais de mil anos de guerra
E os erros não podem ser pagos com sangue.





















O mundo e o tempo

Esgotou-se o tempo
O futuro é nuvem
O homem uma ampulheta
A vida nasce quase morrendo
A mudança deve ser extrema
Para mudar o mundo para melhor
A poluição é uma bomba relógio
Não há mais tempo
A verdade se perdeu
Na propaganda nova que nasceu
Um tiro foi ouvido na luz
A escuridão não quis ensinar seus filhos a amar
A ira é vento
A humildade um firmamento puro
Esgotou-se o tempo
O tempo é explorado
Com estupidez e ouro
A alma moderna se vende
Os homens vivem e morrem na solidão
Os poetas se inspiram e vivem dentro
Da salvadora solidão
O homem é um espírito cego
O poeta é um pássaro estrangeiro
A pedra feriu
O navio partiu
O dinheiro desuniu a honra
O puritano está limpo
Os alquimistas dançam pelas ruas desertas
Os políticos roubam a dignidade do povo
O teto caiu
O espelho quebrou
A vida se cansou
O silencio em mim formou um escudo de sabedoria
O vinho caiu da taça
O fogo e a justiça
Caíram sobre os homens
E os poetas chamaram por Deus.














Se prometer

Se prometer que vai amar para sempre
Cumpra
Se prometer que vai perdoar
Perdoe
Se prometer que vai procurar Deus
Procure
Se prometer que vai mudar
Mude
Se prometer que vai sorrir
Sorria
Se prometer que vai esquecer
Esqueça
Se prometer que encontrara poesia na vida
Encontre.










Amor eterno

Mesmo que tudo termine
Mesmo que me falte ar
Mesmo que caiam todas as estrelas
Mesmo que a vida se torne cinza
Mesmo que o mundo desabe
E a poesia congele
Mesmo que o nosso olhar esteja distante
Mesmo que nossas bocas estejam longe
Mesmo que nossas mãos estejam segurando
Outras mãos, eu ainda te amarei
Minha princesa.



















O recomeço

Vamos recomeçar
O amor quer novamente amar
Vamos ir de volta ao começo
O primeiro beijo
O primeiro abraço
O primeiro sorriso
Vamos recomeçar
Quero casar com você
Quero amor eterno
Quero te ter do meu lado
Quero o teu coração espelhado.



















Esquecer e lembrar

É mais do que preciso
Esquecer os antigos amores
É mais do que preciso
Salvar o planeta
É mais do que preciso
Lembrar de namorar
É mais do que preciso
Esquecer o egoísmo e as magoas
É mais do que preciso
Aprender a tocar violão
É mais do que preciso
Aprender a fazer poesia
É mais do que preciso
Lembrar das melodias
É mais do que preciso
Ler Carlos Drummond de Andrade
E Álvares de Azevedo
É mais do que preciso
Esquecer aquele antigo amor
Para viver o novo.










Alma

Tenho alma
Dignidade e honra
Não me vendo
Sou puro
Concreto e cimento
Sou ferro e aço
Sou diamante
Tenho sabedoria e poesia
Tenho caráter e melodia
Sou poeta e tenho amor em meu peito
Tem coisas que só eu vejo
Com um olhar de águia
Tenho alma
E não me vendo
Não me venha com hipocrisia
Sou a verdade cristalina.














Sol

Quero ver o sol
A praia
Nunca vi o mar
Esta tudo tão distante
Quero ver o sol
Leve-me para lá
Quero ver a areia
E as ondas
Quero ver o sol
Essa sabedoria
Que me enche de calor
Quero alegria
De um dia ver o mar
Quero a paz
De um dia
Ver o sol
Capaz de mudar
O meu dia.












Poesia

Lá vai ela
Discreta no escuro
Sussurra a noite
Grita de madrugada
Acende a fogueira
Da imaginação
É verão
É inverno
Tudo é só paixão
Lá vai ela
Descoberta no amor
Trás paz, luz e calor.






Poema na chuva


Dança o poema na chuva

O vento grita sobre a lua

Folhas secas voam na tempestade

Sobre a iluminada cidade


O poema caiu na violenta chuva

O poeta molhou a poesia secreta

Lagrimas rolaram de repente

No rosto do eu poeta.


Autor: Charles Magalhães Dedeco


















Viajante ingênuo


Sou um viajante

Navego por entre as montanhas sagradas

O mundo é minha casa

Meu coração porem pede paraíso

Sou um viajante

Um poeta nobre

Que sofre

Que grita

Que sonha

Que ama desesperadamente

A mulher amada

Que passa por mim

E não diz nada

Apenas olha e sorri.


Autor: Charles Magalhães Dedeco











Poema de cabeça para baixo


A noite afundada em lama

A estrela caída no teto

A rua apagada solitária chora

O vento na nevoa sombria

Implora felicidade

O filosofo embriagado

Flutua nas nuvens de aço

A cidade em chama pede paixão

A solidão do poeta navega sobre a iluminação

O poema de cabeça para baixo

É para o mundo solução.


Autor: Charles Magalhães Dedeco






Sobre o sol da varanda


Escrevo poemas no sol à tarde

O sol me da alegria e vontade

O horizonte é repleto de pássaros

Musica acorda meu coração de solidão


Sobre o sol da varanda

A melodia e o silencio é constante

Cachorros latem e correm atrás de gatos

Bananeiras maduras decoram o pátio


Não sei onde estão os vizinhos

Ao lado de minha casa

Tem uma bela morena

Não sei onde ela esta


Escrevo pensando nela

Quando ela vai chegar

Escrevo pensando em suas pernas

Em seus seios

Em sua voz

Em sua boca de cristal.


Autor: Charles Magalhães Dedeco




Cidade fria


A cidade no inverno chora vazia

A rua da cidade deserta pede alegria

Enfim, tudo é completo silencio


A cidade que no verão é fogo

E no inverno é tão triste a face do sol

Na cidade de inverno a vida é tão melancólica

A poesia fica congelada de tédio

Talvez um romance aquecesse essa cidade


Na cidade de inverno o amor suspira a noite

A cidade a noite é carente e elegante.


Autor: Charles Magalhães Dedeco













Religião livre


Mais de mil anos de guerra

E o homem não encontrou o caminho das flores

Foram espadas, combates e canhões

Armas nucleares e enganações

Quando vão aprender que a escada

Para se chegar até o céu é o amor?

Deus quer a liberdade da fé.

Mais de mil anos de guerra

E os erros não podem ser pagos com sangue.


Autor: Charles Magalhães Dedeco
















Se prometer


Se prometer que vai amar para sempre

Cumpra

Se prometer que vai perdoar

Perdoe

Se prometer que vai procurar Deus

Procure

Se prometer que vai mudar

Mude

Se prometer que vai sorrir

Sorria

Se prometer que vai esquecer

Esqueça

Se prometer que encontrara poesia na vida

Encontre.


Autor: Charles Magalhães Dedeco














O recomeço


Vamos recomeçar

O amor quer novamente amar

Vamos ir de volta ao começo

O primeiro beijo

O primeiro abraço

O primeiro sorriso

Vamos recomeçar

Quero casar com você

Quero amor eterno

Quero te ter do meu lado

Quero o teu coração espelhado.


Autor: Charles Magalhães Dedeco














Esquecer e lembrar


É mais do que preciso

Esquecer os antigos amores

É mais do que preciso

Salvar o planeta

É mais do que preciso

Lembrar de namorar

É mais do que preciso

Esquecer o egoísmo e as magoas

É mais do que preciso

Aprender a tocar violão

É mais do que preciso

Aprender a fazer poesia

É mais do que preciso

Lembrar das melodias

É mais do que preciso

Ler Carlos Drummond de Andrade

E Álvares de Azevedo

É mais do que preciso

Esquecer aquele antigo amor

Para viver o novo.

Autor: Charles Magalhães Dedeco





Alma


Tenho alma

Dignidade e honra

Não me vendo

Sou puro

Concreto e cimento

Sou ferro e aço

Sou diamante

Tenho sabedoria e poesia

Tenho caráter e melodia

Sou poeta e tenho amor em meu peito

Tem coisas que só eu vejo

Com um olhar de águia

Tenho alma

E não me vendo

Não me venha com hipocrisia

Sou a verdade cristalina.

Autor: Charles Magalhães Dedeco










O poeta e a vida, 2007

Autor: Charles Magalhães Dedeco

As portas do céu

Vi o portão do paraíso se abrir
Vi pássaros ressuscitarem
As flores mortas
O desamor indo embora

E o homem plantando bondade
Na terra nova
Vi poetas celestiais
Andando por entre nuvens

E seus segredos transparentes
Perante a lua
Vi a paz caminhando sem medo
Nas ruas
 E a esperança brincava com crianças

Num jardim sem fim













Mais um dia

Esta é a despedida
De uma vida que sangra
A cada novo amanhecer

Palavras não têm mais
Deixo um ultimo suspiro
Da carne que me prende da liberdade

O mundo em mim não habita mais
Terra oca, terra louca
Que não nos deixa em paz

Morri no momento que enxerguei
O mundo sem vendas
Sou o coveiro da vida

Vi que tudo era uma completa hipocrisia
Vi que o dinheiro era o dono dos fracos
E sem alma











Um dia após outro

Deixei o amor passar
Todas as noites clarearem
Deixei a nuvem andar
A formiga construir seu lar
E a juventude chegar
Esperei todo esse tempo
E com apenas um beijo
O amor foi embora
A dor é tamanha que até hoje meu coração sangra
O curativo do tempo não funciona
Deixei meu amor passar
E todas as noites clarearem


















O ontem é igual


Tudo é como antes
Vida sem honra
Orgulho em diamante
Crianças morrendo de fome
Livros jogados no lixo
Armas não matam o inimigo
Às vezes erram e acertam o inocente menino
Há dias que não durmo
Todas ás noites rezo pelo nosso mundo
E às vezes a prece parece não me ouvir
Tudo é como antes
Vida sem honra
Orgulho em diamantes
Que saudade dos heróis
Dos que morreram por nós
Pregados sem liberdade
Gritando a verdade
Com coragem de mudar tudo.











Nosso interior

Poeta trovador
Fala e esconde seu amor
Senti a vida
Na filosofia mais simples
Poeta sou eu
E digo-lhes
Que a mentira corrói a alma
E desfaz o amor
Nós vivemos um do outro
Caminhamos sempre juntos
Procuramos outros mundos
Alimentamos-nos da união
Perdemos-nos juntos
Vivo dentro de você
Em corações abertos
Não é crime amar
É viver
É sonhar...












Pensando em você

Pensando em alguma coisa que faça o tempo passar logo.
Até você voltar
Minhas manhãs acordam pesadas
Lembranças e despedidas
Palavras raras
Até logo
Até amanhã
Até agora o amor não chegou
Por enquanto fico aqui em minha casa
Esperando você voltar
Com a porta destrancada
Com a janela aberta
Ao som da solidão
Em olhos esperançosos do coração
Pensando no amanhã
Fui ao resgate do amor
E encontrei flores libertas
Sobre o sol de aquarelas brilhantes











Fim do dia

Passei mais uma semana em casa
Vontade doente
Beijo que mente
Dia frio
Dia a mil
Coração longe
Na beira de um navio
Lá fora todos estão numa só diversão
E eu continuo numa antiga depressão





















Desejos secretos

Minhas digitais ficaram gravadas em teu corpo nu.
Meu beijo ficou gravado no teu coração vermelho
Você é a fada do desejo puro
Mulher lua que ama o sol.
Do teu coração nascem desejos secretos
E poemas vivos
























Romance partido

No momento que a vi partir
Tudo mais partiu
Um navio otimista afundou
No mar da saudade
A lua adormece mais triste sem você
O sorriso do sol perdeu a cor
Longe de você
Não posso mentir pro meu coração
Que vi o cantor sem voz
A música morta
No momento que partiu
Você partiu uma parte de mim


















Mero engano

Não me encontro mais em lugar algum
Toda vez em que me vejo no espelho
O reflexo não é mais o mesmo
Meu sorriso desbotou
Numa amarga lembrança
A ferida não vai cicatrizar
Não tenho mais nada para ver
Ao menos quero dizer:
Quem em toda minha vida eu não consegui viver afastado da solidão
A vida levou o tempo
O tempo levou a vida
Na face do sol poente
Só peço a Deus que eu esqueça tudo isso...
Meu vicio foi amar demais
As estrelas no céu
Meu erro foi acreditar
Que elas não podiam cair.












Um sonho dentro de outro


Mergulho no presente
E deixo o que é ausente
Se perder no inconsciente do passado
Que já foi embora
O futuro me espera
E o amanhã é outra hora
Deixarei o vento me levar
Junto das águas do mar
Perto do meu amor
Cada vez mais perto
No discreto amarelo do sol
Em águas profundas
Procuro o descanso
Que não julga
Maré baixa
Maré de sono
Ondas de abandono
Olhar minha alma procurando luz
Na tranqüila e quieta noite
Procurar outro mundo sem desgosto
E isso tudo que aqui há
Sonhar um sonho
Dentro do outro.






Nosso viver não tem merecer

Não mereço viver
Não compreendo o mundo
Nem o quero compreender
Tudo soa tão triste
Nada persiste
Para a solução mais livre
Acho que chegou o fim
Estou farto
Nunca pensei que iria me cansar do mundo
Já sei de quase tudo
E é por isso que estou de luto
As flores morrem a cada dia que passa
Mais e mais
Nada mais me agrada
Miseria em um mundo que se corroi
Meu peito destroi a hipocrisia
Dos reis larapios
Chega de mentiras
Sou livre para viver no virgem céu











Outros poetas viram

Mãos sangram no papel virgem
Minha isnpiração transpira e respira
Na escuridão do céu
O papel amassado
O poeta de coração partido
Se perde no fogo
Outros vem surgindo
Já vejo vindo
Rindo da madrugada
Dizendo que tudo é só o começo
Já vejo um novo dia nascendo
E um velho mundo inteiro se perdendo
Já vejo
Vejo surgindo
















Dificil e facil

Dificil é perder um ente querido e aceitar a vontade de Deus
Facil é rir a toa com os amigos
Dificil é não se preocupar com os outros tendo um coração
Dificil é ser adulto e aceitar os pecados que fez
Facil é jogar uma pedra
Dificil é lapida-la e torna-la uma flor
Dificil é aceitar a voz do coração
E aceitar o que se senti
Facil é dormir com a barriga cheia e conseguir fazer planos para o futuro
Dificil é pensar nos outros
E se colocar no lugar daqueles que não tem vez
















Adeus serpente


Minha alma esta machucada
Quem eu amava se perdeu
Numa encruzilhada
Junto das ovelhas mascaradas
Meu coração em pequenos pedaços se quebra
Na nevoa do desgosto
Caminhe com os teus pés
Conheça-te
Adeus menina da maça envenenada




















Homens serpentes


Estrelas fracas
Vida incompleta
Palavra por palavra desfeita
Andante do mundo
Da neblina perdida
Dos olhos nublados
Do beijo mudo
Errante do sol noturno
A beleza é seu orgulho
Coração sem dono
Poço impuro
Homens dos diamantes
Grandes tolos
Querem comprar o céu
Com petróleo e ouro














O coveiro


O desconhecido da noite ouviu ruídos estranhos
É o mistério das almas errantes
Que gritam em meio às entranhas das ruas
Ainda dorme o dia
E as pessoas pisam em areias movediças
Os muros do mundo estão se fechando
Os olhos só querem olhar o que não é santo
A maldade quer jogar o amor fora
E as explicações não procuram mais os sentidos

O mundo é um absurdo
É um túmulo onde quase todos estão mortos
É lá que trafega o barco do coveiro
O vendedor de liberdade















O poema enigma

O completo silêncio da noite
Às vezes me espanta esse tédio
Essa luz apagada da rua sombria
Esse grilo que não cala a boca
Esse canto mudo
Esse terror escuro
Procuro às vezes a poesia na vida
Aqui, ali, sei lá onde
Talvez no horizonte
No sonho, no gozo, no pecado, no grito
Ou na musica da palavra
No gemido da mulher amada
É tão complexo desvendar o enigma da poesia

















Se fosse uma poesia

Poesia se tu fosses uma mulher
Chamada beatriz
Eu te comeria o clitóris mesmo sem rima
Faria-te feliz da vida
De noite e de dia
Daria-te infinitos orgasmos
Faria-te mulher viva
No calor do imã
Daria-te a alegria do clímax
Se fosses mulher minha
Beijar-te-ias
Poesia se tu fosses minha amada
Uma mulher esmeralda
Clara alva
Amaria-te com o poder da chama
Jogaria-te na cama nua
Faria amor contigo sobre a lua
Daria-te eterno gozo
No corpo
Na boca
E no coração









Poesia escondida

A poesia esconde-se
No espanto que não vejo
No canto do silencio
Na poeira da noite e do dia
No assombro do invisível clima
A poesia não vive no obvio
Ela é uma metamorfose
Uma nuvem que não evapora






















O amor

A palavra amor não é apenas uma palavra que rima com flor
Não é uma rima
E sim poesia real
É o vivido olhar
É o infinito vagar
É o tanger da boca
É alegria unida
É o inesperado sim
A paixão de jasmim
É a expectativa do êxtase sem fim
Único caminha para a felicidade é assim
Súbito amor
É um entregar-se de coração
É o impetuoso destino de amar
Amar sem parar
Amar e refletir
Amar a mulher amada
Amar sem magoa
Amar é um inexplicável clamor
O cúmplice prazer vital









É uma ordem

Pensar na vida é uma ordem
Pensar no mundo é uma ordem
Pensar nas pessoas é uma ordem
Sobretudo amar e refletir são uma ordem
É uma ordem ser feliz
É uma ordem perdoar
É uma ordem encontrar o amor da sua vida
É uma ordem achar a justiça
É uma ordem ter uma família
É uma ordem pagar as dividas
É uma ordem ter progresso e razão
É uma ordem seguir Deus
É uma ordem ser verdadeiro e honroso
É uma ordem ser humilde e digno
É uma ordem casar com uma mulher bonita e inteligente
E amá-la eternamente













Olhe o espelho

Não mintas para mim
Nem finjas para ti
Não sinta vergonha de ser feliz
Tijolo por tijolo faz sonhos
Não faça tudo desmoronar no mar cego
Não aceite a mentira em olhos abertos
Beba a água da verdade
Sinta a coragem que a solidão nos trás
Melancólicas esperanças





















Ao arquiteto do universo

Minha poesia mais bela vive
Em momentos tristes
Em temporais ilusórios
No olhar molhado e frio do inverno
No sorriso desbotado da primavera
Nas respostas sem explicações
Minha poesia mais bela vive
Não só por viver
Mas por aprender a caminhar no sol
E ir em busca da liberdade




















Inverno doente

Meus lábios rachados do inverno
Sem o sol vida
Minhas roupas quentes
Quase despidas
Não sou nenhum super herói
A gripe em mim é maior
Saúde é quase tudo que precisamos
O resto vem surgindo em planos
Mãos tremulam
Congeladas
Escrevem poemas
Os poemas me dão saúde
Não preciso de mais nada




Porque sou assim


Quis encontrar-me
No meu silencio
Nas horas acordadas
Nas musicas desesperadas
Nos sonhos mortos
Em dias tortos
Os amores estavam juntos
E eu sozinho
Como sempre quis
Porque sou assim
Medo de amar
Ou jeito de sonhar
Vou seguir na sombra da solidão
Vestir a tristeza em meu coração















O amor é isso

O que é o amor
Senão a alma em fogo
O coração ciumento
A ponte que existe
Entre a razão e a emoção
O que é o amor
Senão a busca eterna pela felicidade
O beijo de língua
Beijando a vida
O que é o amor
Senão o desconhecido
A paixão dos barcos
Navegando rumo ao infinito e a perfeição
O que é o amor senão a chama
A sede do coração
O amor é a poesia da alma
É a união dos corpos em fogo













A despedida

O amor chegou ao fim
Um último adeus
Um último olhar nos olhos
Agora cada um para o seu canto
E a saudade vai tomar conta
Dos dois corações
É a vida
Somente os amores verdadeiros
Nunca acabam






















A partida

A lua ilumina a escuridão
O poema e o soneto meu coração
Quem parte, parte sorrindo
Quem fica
A vida é tida um sofrer
E parte a alma e parte a vida
Quem chegar a querer o bem























Indo e vindo

Dia abafado
Noite quente
Vento forte
Não sei como chamar a morte
Parado fica o tempo
Não percebo nenhum sol nascer
Não escrevo mais historias felizes
O segredo é desvendado
Num pequeno livro
Porta retrato
Linhas traçadas
Vidas passadas
Palavras que lavam a alma
Eu aqui parado
Correndo em alguma direção
Sofrendo, perdendo tempo
Com um amor passageiro
Não quis me perder
Nem quis te perder











Passa a vida

Nós sobrevivemos de sonhos desmoronados
Em casas vazias e quietas
Em noites embriagadas
Vivemos e aprendemos
 A levantar e a seguir
Somos livres em pensamento
Agimos conforme o vento do mundo
Nós inventamos o amor
Em uma poesia no inverno da dor
Poeta da vida eterna
A morte ele cobiça
O fim é tudo
O começo é mudo
Vou indo sem esperança
Nem ligo
Eu contra o mundo cego
Nós contra todos
Em moinhos de vento












Inspiração noturna

Não sei o que me deixou assim
Sem fim, sem fim
Olhando as estrelas
Vejo poemas flutuando no céu
Tudo pronto
O coração quer ser lido
Não consigo parar de escrever
Tudo o que sinto
O poema quer ser
A solidão é conforto
Para quem já viveu um desgosto
Seu rosto, seu beijo gosto de mel


















Inspirações refletidas


Pensamentos confusos
Inspirações em momentos solitários
Refletir a lagrima
E as lembranças do ontem
Ouvir o vento bater forte no meu peito
O vento do amor suave
Ouvir a chuva cair com suas lagrimas de esperança
Dormir com o barulho da chuva
Que dança e se espalha




















Saciando a volta do amor

As ondas do mar me levaram junto a ti
Uma saudade eu senti
No meu coração cheio de solidão
Lagrimas caíram
Num vazio da vida triste
No silencio que vos ama
Você é o sonho dos meus sonhos
O segredo mais profundo
No silencio do amor
Você é o seu próprio infinito
Um livro jamais lido
Labirintos escondidos dos teus beijos
Nunca antes provados

















Amar não é fugir da realidade

Com você tudo é azul
Cor de rosa
Verde nu
A porta esta sempre aberta
Não há abandono
O teu respirar
Faz-me viver
Você ai quieta
Fingindo que esta tudo bem
Não querendo enxergar
O mundo que ai tem
Em nossos olhos caminham
À noite e o dia
Abraçados na alegria morta
Não conhece a realidade
Que nos engole
E nos fazem acordar
Em um mar de profunda falta de amor
Desculpe-me não consigo fechar meus olhos
E calar meu coração
Desculpe-me meu amor
Não consigo ser feliz








Buscando revolução

Um vazio em mim se faz
O tempo desfaz o amor
No silencio mudo
Surge um sono profundo
Não me iludo com promessas
Queremos um novo mundo
Só o amor nos leva para o calmo e violento sonho
Mesmo sozinho eu luto
Por vitorias sem sangue
Por revoltas querendo justiça
Por revoluções que não tem preguiça de mudar
O rumo dos barcos
Nação viva
Poesia despida
Respeito pela vida
Deixo tudo para trás
 E recomeço pelo sabor de mudar













Almas do mundo

O mundo é assim
Um dia, estou sem fim
Outro estou sem fim
O mundo é assim
Caminho sobre minhas ilusões
E paixões não tidas
Sobre minha solidão
Que não encontrou a saída
Em meio a olhares apaixonados
Em corações dilacerados
Eu caminho
O mundo é assim
Caminho na sombra do amor
Na tentação partida
Nas duvidas jamais vistas
Na vida que ensina a amar
Um novo olhar
A afeição da bondade
A fé caridade
Da luz que não me abandona
Do mundo que me aprisiona
O mundo é assim








Quero ver o sol

Triste noite enterrada
Repleta de estrelas empalhadas
Ruas continuam apagadas
E a dor espalhada na noite
Dia envenenado
Copos e mais copos de bebida.
Noite de pavor para os inocentes
Noite de amor para os carentes
Em meu coração respiro o bater da solidão
Quero ver o sol
Em minha alma



















Quando eu partir

Se meus olhos fecharem e não mais abrirem
Não me acorde
Onde eu estiver
Eu estarei bem
Espere não corra
Você pode tropeçar
Fique calma
O mundo só aprendeu a caminhar
Um inocente caiu ajude-o
De água para quem tem sede de amor
Se meus olhos fecharem
E não mais abrirem
Não me acorde
Tenho meus poemas aqui comigo
Tenho Deus e Jesus de Nazaré
Se eu dormir
E não mais acordar
Não me acorde











Novo amor

Vou encontrar um novo amor
E vou ser feliz outra vez
Vou deixar essa tempestade passar
Meu amor vai surgir
Quando eu menos esperar
Ela vai ser dourada do sol
Com lábios carnudos
Com um jeito de fada celeste
Ela vai me dar amor e mais amor
E eu vou fazer e planos
E sonharei no lado dela



















Bela morena

Você me atrai
Faz-me suspirar dias inteiros
Oh, bela morena
Teu corpo é brasileiro
Suas pernas são prédios imensos
Quando caminha rebola como ninguém
Me trás amor e calor na vida
Quero você sempre despida






















Minha loura

Dourada do sol
Você é o meu raio de sol
Meu poema de amor infinito
Minha fantasia das horas de desejo
Vejo-me sempre cantando ao teu lado
Canções e declarações
Minha loura
Você me enlouquece na cama
Fico louco de prazer com você
Sonho em te dar amor e desejos íntimos
Todos os dias eu sonho com você
Porque você é o meu vicio








Desejos secretos


Minhas digitais ficaram gravadas em teu corpo nu.

Meu beijo ficou gravado no teu coração vermelho

Você é a fada do desejo puro

Mulher lua que ama o sol.

Do teu coração nascem desejos secretos

E poemas vivos

Autor: Charles Magalhães Dedeco
















Romance partido


No momento que a vi partir

Tudo mais partiu

Um navio otimista afundou

No mar da saudade

A lua adormece mais triste sem você

O sorriso do sol perdeu a cor

Longe de você

Não posso mentir pro meu coração

Que vi o cantor sem voz

A música morta

No momento que partiu

Você partiu uma parte de mim


Autor: Charles Magalhães Dedeco













Mero engano


Não me encontro mais em lugar algum

Toda vez em que me vejo no espelho

O reflexo não é mais o mesmo

Meu sorriso desbotou

Numa amarga lembrança

A ferida não vai cicatrizar

Não tenho mais nada para ver

Ao menos quero dizer:

Quem em toda minha vida eu não consegui viver afastado da solidão

A vida levou o tempo

O tempo levou a vida

Na face do sol poente

Só peço a Deus que eu esqueça tudo isso...

Meu vicio foi amar demais

As estrelas no céu

Meu erro foi acreditar

Que elas não podiam cair.


Autor: Charles Magalhães Dedeco








Dificil e facil


Dificil é perder um ente querido e aceitar a vontade de Deus

Facil é rir a toa com os amigos

Dificil é não se preocupar com os outros tendo um coração

Dificil é ser adulto e aceitar os pecados que fez

Facil é jogar uma pedra

Dificil é lapida-la e torna-la uma flor

Dificil é aceitar a voz do coração

E aceitar o que se senti

Facil é dormir com a barriga cheia e conseguir fazer planos para o futuro

Dificil é pensar nos outros

E se colocar no lugar daqueles que não tem vez

Autor: Charles Magalhães Dedeco















O poema enigma


O completo silêncio da noite

Às vezes me espanta esse tédio

Essa luz apagada da rua sombria

Esse grilo que não cala a boca

Esse canto mudo

Esse terror escuro

Procuro às vezes a poesia na vida

Aqui, ali, sei lá onde

Talvez no horizonte

No sonho, no gozo, no pecado, no grito

Ou na musica da palavra

No gemido da mulher amada

É tão complexo desvendar o enigma da poesia

Autor: Charles Magalhães Dedeco









É uma ordem


Pensar na vida é uma ordem

Pensar no mundo é uma ordem

Pensar nas pessoas é uma ordem

Sobretudo amar e refletir são uma ordem

É uma ordem ser feliz

É uma ordem perdoar

É uma ordem encontrar o amor da sua vida

É uma ordem achar a justiça

É uma ordem ter uma família

É uma ordem pagar as dividas

É uma ordem ter progresso e razão

É uma ordem seguir Deus

É uma ordem ser verdadeiro e honroso

É uma ordem ser humilde e digno

É uma ordem casar com uma mulher bonita e inteligente

E amá-la eternamente

Autor: Charles Magalhães Dedeco










O amor é isso


O que é o amor

Senão a alma em fogo

O coração ciumento

A ponte que existe

Entre a razão e a emoção

O que é o amor

Senão a busca eterna pela felicidade

O beijo de língua

Beijando a vida

O que é o amor

Senão o desconhecido

A paixão dos barcos

Navegando rumo ao infinito e a perfeição

O que é o amor senão a chama

A sede do coração

O amor é a poesia da alma

É a união dos corpos em fogo


Autor: Charles Magalhães Dedeco









A despedida


O amor chegou ao fim

Um último adeus

Um último olhar nos olhos

Agora cada um para o seu canto

E a saudade vai tomar conta

Dos dois corações

É a vida

Somente os amores verdadeiros

Nunca acabam

Autor: Charles Magalhães Dedeco



















Quando eu partir


Se meus olhos fecharem e não mais abrirem

Não me acorde

Onde eu estiver

Eu estarei bem

Espere não corra

Você pode tropeçar

Fique calma

O mundo só aprendeu a caminhar

Um inocente caiu ajude-o

De água para quem tem sede de amor

Se meus olhos fecharem

E não mais abrirem

Não me acorde

Tenho meus poemas aqui comigo

Tenho Deus e Jesus de Nazaré

Se eu dormir

E não mais acordar

Não me acorde


Autor: Charles Magalhães Dedeco







Novo amor


Vou encontrar um novo amor

E vou ser feliz outra vez

Vou deixar essa tempestade passar

Meu amor vai surgir

Quando eu menos esperar

Ela vai ser dourada do sol

Com lábios carnudos

Com um jeito de fada celeste

Ela vai me dar amor e mais amor

E eu vou fazer e planos

E sonharei no lado dela


Autor: Charles Magalhães Dedeco
















Nenhum comentário:

Postar um comentário

(Rm 12. 9)

“O amor seja sem hipocrisia.”

Eclesiastes 9:11

Percebi ainda outra coisa debaixo do sol: Os velozes nem sempre vencem a corrida; os fortes nem sempre triunfam na guerra; os sábios nem sempre têm comida; os prudentes nem sempre são ricos; os instruídos nem sempre têm prestígio; pois o tempo e o acaso afetam a todos.

- João 3,19-21

"Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más. Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que suas obras não sejam reprovadas. Mas aquele que pratica a verdade vem para a luz. Torna-se assim claro que suas obras são feitas em DEUS."

- Mt 5,11-12

"Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós."

1João 2,9-11


"Aquele que diz estar na luz, e odeia seu irmão, jaz ainda nas trevas. Quem ama seu irmão permanece na luz e não se expõe a tropeçar. Mas quem odeia seu irmão está nas trevas e anda nas trevas, sem saber para onde dirige os passos; as trevas cegaram seus olhos." -

- Pr 6,16-19

"Seis coisas há que o Senhor odeia e uma sétima que lhe é uma abominação; olhos altivos, LÍNGUA MENTIROSA, mãos que derramam sangue inocente, um coração que maquina projetos perversos, pés pressurosos em correr ao mal, UM FALSO
TESTEMUNHO QUE PROFERE MENTIRAS E AQUELE QUE SEMEIA DISCÓRDIA ENTRE IRMÃOS."

- 2Tm 4,3-4

"Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas."

- Zc 8,16-17

"Eis o que deveis fazer: falai a verdade uns aos outros; julgai às portas de vossas cidades segundo a justiça e a sinceridade. Não maquineis o mal em vossos corações contra o próximo; não jureis falso, porque aborreço tudo isso - oráculo do Senhor."

- 1Tm 4,1-2

"O Espírito diz expressamente que, nos tempos vindouros, alguns hão de apostatar da fé, dando ouvidos a espíritos embusteiros e a doutrinas diabólicas, de hipócritas e impostores que, marcados na própria consciência com o ferrete da infâmia."

Efésios 6:14

Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça


- AP 21,27

"...NELA NÃO ENTRARÁ NADA DE PROFANO NEM NINGUÉM QUE PRATIQUE ABOMINAÇÕES E MENTIRAS, MAS UNICAMENTE AQUELES CUJOS NOMES ESTÃO INSCRITOS NO LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO."

- ROMANOS 1,18

"A IRA DE DEUS SE MANIFESTA DO ALTO DO CÉU CONTRA TODA A IMPIEDADE E PERVERSIDADE DOS HOMENS, QUE PELA INJUSTIÇA APRISIONAM A VERDADE."

Atos dos Apóstolos 16:31

Eles responderam: "Creia no Senhor Jesus, e serão salvos, você e os de sua casa".

Mateus 5:9

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.”

Romanos 14:19

“Assim, pois, sigamos as coisas que servem para a paz e as que contribuem para a edificação mútua.”

1 Coríntios 13:13

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.

1 João 4

E vimos e testemunhamos que o Pai enviou o seu Filho para ser o Salvador do mundo. Se alguém confessa publicamente que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele, e ele em Deus. Portanto, dessa forma conhecemos o amor que Deus tem por nós e confiamos plenamente nesse amor. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele. …

1 João 5:5

Quem é que pode vencer o mundo? Somente a pessoa que crê que Jesus é o Filho de Deus.

Nada escapa aos Seus olhos

Deus é bom e justo. Nada escapa aos Seus olhos, e nenhuma atitude pode ser escondida d'Ele.Os perversos não ficarão impunes. Quem não se arrepender dos seus maus caminhos será julgado. Por esse motivo, podemos descansar porque Deus está controlando tudo, e não devemos fazer justiça pelas nossas próprias mãos.

Provérbios 15.21

O tolo se diverte com as suas tolices, mas o sábio faz o que é certo.

Jesus Cristo

Respondeu Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.

João 14:6


1 Timóteo 6

Pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos. 1 Timóteo 6

São Mateus, capítulo 6

"Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro".

Apocalipse 20:15

"E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo."

(Provérbios 25:26 )

A pessoa boa que se deixa levar por uma pessoa má é como uma fonte de água barrenta ou como um poço contaminado.

Lucas 12:15

Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui.”

Salmos 91:11

"Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos."

Salmos 91:11

I Pedro - 2:1

Livrem-se, pois, de toda maldade e de todo engano, hipocrisia, inveja e toda espécie de maledicência.

(1 Jo 3:18)

“Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade.”

1 Timóteo 6:9,10

Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição,pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos.

1 Timóteo 6

Pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos.

(MATEUS 6 v. 5-6)

“- Quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de orar de pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas para serem vistos pelos outros. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: eles já receberam a sua recompensa. Mas você, quando orar, vá para o seu quarto, feche a porta e ore ao seu Pai, que não pode ser visto. E o seu Pai, que vê o que você faz em segredo, lhe dará a recompensa.”

Salmos 1:1

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

(II CORÍNTIOS 11 v. 13-15)

“Aqueles homens são apóstolos falsos e não verdadeiros. Eles mentem a respeito dos seus trabalhos e se disfarçam, apresentando-se como verdadeiros apóstolos de Cristo. E isso não é de admirar, pois até satanás pode se disfarçar e ficar parecendo um anjo de luz. Portanto, não é nada demais que os servidores dele se disfarcem, apresentando-se como pessoas que fazem o bem. Mas no fim eles receberão exatamente o que as suas ações merecem.”

Pv 1 4:6 Rei Salomão

Quem zomba de tudo quer ser sábio e não consegue, mas quem tem juízo aprende com facilidade.

Provérbios 14

A pessoa simples acredita em tudo, mas quem tem juízo está sempre prevenido.

(ROMANOS 2 v. 1)

“Não importa quem você seja não tem desculpa de jeito nenhum. Porque, quando julga os outros e faz as mesmas coisas que eles fazem, você está condenando a você mesmo.”

Jeremias - 23:14

Mas, entre os profetas de Jerusalém vejo coisas hediondas: adultério e hipocrisia. Encorajam os maus, para que nenhum se converta da maldade. A meus olhos são todos iguais a Sodoma e seus congêneres semelhantes a Gomorra.

Provérbios 14.7

Afaste-se das pessoas sem juízo porque gente assim não tem nada para ensinar.

Provérbios 14

Há caminhos que parecem certos, mas podem acabar levando para a morte.

Tiago 4.4

“Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.”